Escrita de Pressão. Também em Jorros de Litro.
23
Mai 09
publicado por A.Bruto, às 22:15link do post | comentar

e à meia-noite, o relógio de parede, velho como tempo do tasco, soava. Institivamente, levantava-se e pegava na guitarra. "Não era a hora", era quando lhe apetecia. Apetecia-lhe todos os dias e àquela hora. E as mesas com estudantes bifas a comer caldo verde e os bêbados que faziam a procissão das capelinhas e acabavam sempre ali, refúgio do pecador, agarrados, putas e chulos despertavam da sua efusiva apatia, daquela inebriante e falsa alegria e voltava-os para onde vinha aquele.gemer bonito e triste que os empurrava sem que eles se apercebessem, como tísicos, de pernas esticadas para a frente, calcanhares enterrados no chão, olhos fechados, a sorrir como estúpidas crianças, como só as crianças podem ser. E estupidamente sorriam e levavam-se pelo chorar da guitarra em direcção ao abismo.

Quando terminou, todos se tinham esquecido da sua mão de sueca, das minis suspensas a caminho da boca seca. Todos no tasco se apercebiam que tinham vivido um momento que não se iria repetir, mesmo que ele lá estivesse no dia seguinte, à meia noite,


mais sobre mim
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22

24
30

31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO